quarta-feira, 16 de março de 2011

Músicas que me marcaram...(1)

video

Construção

Chico Buarque

Composição: Chico Buarque
Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acabou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego
Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo
Bebeu e soluçou como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público
Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contra-mão atrapalhando o sábado
Por esse pão pra comer, por esse chão prá dormir
A certidão pra nascer e a concessão pra sorrir
Por me deixar respirar, por me deixar existir,
Deus lhe pague
Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir
Pela fumaça e a desgraça, que a gente tem que tossir
Pelos andaimes pingentes que a gente tem que cair,
Deus lhe pague
Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir
E pelas moscas bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir,
Deus lhe pague.

6 comentários:

  1. Esta é mais uma das tais grandes canções que não nos cansam nunca escutar mais uma vez. Palma

    ResponderEliminar
  2. O poema, a composição, a interpretação. Tudo excelente.

    ResponderEliminar
  3. Eu também gostava do Chico Buarque e desta musica mais ainda
    Mas os tempos mudaram e as musicas estão completamente diferentes dos nossos gostos
    com carinho
    sua amiga Monica

    ResponderEliminar
  4. O homem pensará mesmo assim ?
    "Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais ao futuro do país com a mesma coragem, o mesmo desprendimento e a mesma determinação com que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar".

    Anibal Cavaco Silva, Presidente da Repúbica Portuguesa no dia 15 de Março de 2011

    *Sá de Miranda - epígrafe do blogue de José Pacheco Pereira

    ResponderEliminar
  5. Oi Jorge, obrigada por suas visitas e comentários carinhosos nos meus textos. Parabéns pelas suas postagens sempre enriquecendo seu blog, nos trazendo conhecimento e boas leituras, além de músicas e letras prazerosas.

    Um abraço da amiga de sempre Regilene

    ResponderEliminar
  6. Jorge!!!

    Que coincidência!!

    Olha só, de vez em quando tenho uns "saraus" musicais aqui em casa, com minha filha. Ela tem 14 anos, mas quero apresentar a ela algumas canções da Música Popular Brasileira, algumas letras com conteúdo. Porque a qualidade de nossa música, hoje em dia, está péssima. E tivemos uma safra tão boa!
    E ontem foi o dia em que apresentei a ela Construção, do Chico Buarque. Falei sobre a música, dando ênfase nas famosas proparoxítonas, na história que é contada, no contexto.
    Essa música é uma das grandes composições desse cara maravilhoso.

    Beijos

    Carla

    ResponderEliminar